N. Sra. de Fátima

N. Sra. de Fátima
Fátima 2017 centenário das aparições de Nossa Senhora, façamos como Ela nos pediu e rezemos o Rosário diariamente. Ave Maria cheia de graça… ©Ecclesia

domingo, 2 de julho de 2017

Popes also bang on the table

Como queres que te ouçam?

Corres o grande perigo de te conformares com viver (ou pensar que deves viver...) como um "bom rapaz", que se hospeda numa casa arrumada, sem problemas, e que não conhece senão a felicidade. Isso é uma caricatura do lar de Nazaré. Cristo, justamente porque trazia a felicidade e a ordem ao mundo, saiu a propagar esses tesouros entre os homens e mulheres de todos os tempos. (Sulco, 952)

Parecem-me muito lógicas as tuas ânsias de que a humanidade inteira conheça a Cristo. Mas começa pela responsabilidade de salvar as almas dos que convivem contigo, de santificar cada um dos teus companheiros de trabalho ou de estudo... Esta é a principal missão de que o Senhor te encarregou. (Sulco, 953)

Comporta-te como se de ti, exclusivamente de ti, dependesse o ambiente do lugar onde trabalhas: ambiente de laboriosidade, de alegria, de presença de Deus e de visão sobrenatural.

Não entendo a tua debilidade. Se tropeças com um grupo de colegas um pouco difícil (que talvez tenha chegado a ser difícil por desleixo teu...), esqueces-te deles, pões-te de parte, e pensas que são um peso morto, um lastro que se opõe aos teus ideais apostólicos; que nunca te entenderão...

Como queres que te ouçam, se (dando por descontado que os ames e sirvas com a tua oração e a tua mortificação) não falas com eles?...

Quantas surpresas apanharás no dia em que te decidas a criar amizade com um, com outro e com outro! Além disso, se não mudas, poderão exclamar com razão, apontando-te a dedo: "Hominem non habeo!", não tenho quem me ajude! (Sulco, 954)

São Josemaría Escrivá

São Josemaría Escrivá nesta data em 1974

Está em Santiago do Chile. No colégio Tabancura, durante uma reunião com centenas de pessoas, dirige-se a uma professora: “Tu, na alma dessas criaturas, nos corações dessas criaturas – que às vezes parecem pequenos rebeldes; mas não, são brincalhões –, com os teus dedos modelas os ensinamentos cristãos e a cultura que deve ter hoje uma pessoa. Tem um pouco de calma! Se ainda por cima dás – como estás a dar – o teu bom exemplo, o teu espírito de sacrifício…”

Bom Domingo do Senhor!

Saibamos sempre tomar a nossa cruz para assim sermos dignos do Senhor como Ele nos fala no Evangelho de hoje (Mt 10, 37-42) e manifestemos-Lhe o nosso amor em tudo.

Louvado seja Deus Nosso Senhor pelo seu infinito e misericordioso amor por todos nós!

Os Papas também dão murros na mesa

Nos últimos 100 anos, raramente um Papa deu um murro na mesa. A regra é ouvir, esclarecer e contar com o tempo para que as pessoas se emendem. A paciência costuma ultrapassar todas as expectativas. Mesmo quando toma uma medida desagradável, o Papa «não levanta a voz». Mas há excepções, alguma recente, como passo a contar, começando por exemplos mais antigos.

Pio XI publicou duas Encíclicas cáusticas contra os fascistas e uma, muito dura, a manifestar a preocupação da Igreja quando Hitler chegou ao poder. Talvez por isso, se dizia que Pio XI tinha mau feitio.

Paulo VI não protestava, mas sofria amargamente a crise da Igreja. Os mais próximos contam que Paulo VI chorava a infidelidade de alguns e a falta de respeito pelos sacramentos, e muitas vezes ele manifestou a sua dor em público. «Esperava-se que depois do Concílio viesse uma época de luz para a história da Igreja. Pelo contrário, vieram nuvens pesadas, tempestades, escuridão, busca, incerteza... O fumo de satanás entrou por alguma frincha no templo de Deus»! Via-se-lhe o rosto cada vez mais marcado pelo sofrimento, mas preferia não dar murros na mesa. Quando o responsável da reforma litúrgica abusou gravemente da confiança do Papa, mandou-o para o Iraque, sem mais comentário.

João Paulo II foi mais expressivo. Por exemplo, em 1983, à chegada à Nicarágua, ainda na pista do aeroporto, deu uma descompostura veemente e pública ao Pe. Ernesto Cardenal, ministro do Governo revolucionário, transmitida em directo pela televisão e conservada no Youtube.

Numa visita à Sicília, à varanda do paço episcopal, encostou a férula ao ombro e, gesticulando com os dois braços, dirigiu-se aos gritos à Máfia, ameaçando-os com o castigo terrível do inferno e pedindo-lhes que se arrependessem. Na recente visita de Francisco à Sicília, a cena repetiu-se com alguma semelhança.

No auge da guerra na antiga Jugoslávia, João Paulo II mandou que uma lamparina ardesse dia e noite, em sinal de oração ininterrupta, até se alcançar a paz, e celebrou a Eucaristia na basílica de S. Pedro, por essa intenção. Tive a sorte de assistir. Depois da homilia, continuou a falar, sem papel, para aqueles que o escutavam do outro lado do mar Adriático. Sentia-se a sua angústia profunda; a cada frase, o tom de voz aumentava, sem olhar para ninguém, como se estivesse sozinho. Não se ouvia a respiração das 20 mil pessoas que enchiam a basílica, apenas o estrondo da voz poderosíssima do Papa. Pensei que talvez os vidros não aguentassem, porque quem tinha o comando da amplificação sonora estava petrificado, sem reacção. O Papa gritava às instituições internacionais, pedindo-lhes que interviessem. Pareceu uma eternidade até que, quando houve um segundo de intervalo, a tensão explodiu num aplauso compacto. O aplauso não cresceu aos poucos, rebentou em uníssono. Milhares de pessoas tiveram simultaneamente o impulso de se comprometer com a oração do Papa. Foi como se nessa altura João Paulo II tivesse reparado que não estava sozinho. Não acrescentou mais nada e continuou a celebração.

Reunião com representantes da Diocese de Ahiara na Nigéria
Há poucas semanas, no dia 8 de Junho, o Papa Francisco recebeu os representantes da Nigéria, porque o Bispo nomeado em 2012 por Bento XVI para a diocese de Ahiara ainda não conseguiu tomar posse. Não se trata de um antagonismo tribal, mas da revindicação de alguns padres que querem ser promovidos ao episcopado, para essa diocese ou para outra qualquer. A «claque» mobilizada por eles exibiu-se em desacatos violentos em frente da catedral de Ahiara e a polícia interveio, prendendo vários, incluindo 4 padres. Francisco não levantou a voz, mas o murro na mesa foi mais do que simbólico: deu 30 dias a cada um dos eclesiásticos de Ahiara para lhe escrever uma carta a pedir perdão, a manifestar dor por tudo o que aconteceu e a aceitar a nomeação do bispo. O prazo termina no dia 9 de Julho. Quem não cumprir, fica imediatamente suspenso, impedido de desempenhar qualquer função na Igreja ou celebrar os sacramentos.


As atitudes duras de um Papa não obedecem a estados de ânimo nem seguem um critério de justiça penal. Um Papa procura tratar cada filho da forma que mais o ajuda. Como Jesus, o resultado tem os seus paradoxos: consola quem cometeu pecados graves e corre à chicotada uns mercadores que montaram a tenda no sítio errado.
José Maria C.S. André
02-VII-2017
Spe Deus

Auschwitz não foi uma coisa que veio feita do Céu

"Auschwitz tem que ser - e será sempre - apenas um ponto de interrogação: não pode ser concebido nem com Deus nem sem Deus.

A dada altura, comecei a perguntar-me se não fui injusto Contigo. Afinal, Auschwitz não foi uma coisa que veio feita do Céu. Foi concebida pelo Homem, implementada pelo Homem e empregada pelo Homem. E o seu fim era não só destruir-nos como destruir-Te a Ti.

Não deveríamos também pensar na Tua dor? A ver as Tuas crianças sofrer às mãos das Tuas outras crianças, não terás também sofrido?"

Elie Wiesel, sobrevivente do Holocausto e prémio Nobel da Paz falecido nesta data em 2016 aos 87 anos

(texto traduzido por Sebastião Bugalho a partir do 'New York Times' em edição de 1997)

A "cultura única"

Aqui chegamos ao ponto central da discussão da fé cristã com determinado tipo de cultura moderna, que gostaria de ser considerada como a cultura moderna sem mais, mas que, felizmente, é apenas uma variedade desta. Isto fica muito claro, por exemplo, na crítica que o filósofo italiano Paolo Flores d'Arcais fez à Encíclica [Fides et ratió].

Como a Encíclica insiste na necessidade da questão da verdade, comenta esse pensador que "a cultura católica oficial (isto é, a Encíclica) já não tem nada que dizer à cultura «enquanto cultura»...". Mas isso significa também que a pergunta pela verdade estaria fora da cultura "enquanto cultura". Nesse caso, porém, essa tal cultura "enquanto cultura" não seria antes uma anticultura? E não seria a sua presunção de ser "a cultura sem mais" uma presunção arrogante e que despreza o ser humano?

Fica evidente que é exatamente disso que se trata quando Flores d'Arcais acusa a Encíclica de ter consequências mortíferas para a democracia e identifica o seu ensinamento com o tipo "fundamentalista" do Islão. Argumenta remetendo para o facto de o Papa ter qualificado como carentes de validade autenticamente jurídica as leis que permitem o aborto e a eutanásia: quem se opusesse dessa forma a um Parlamento eleito e tentasse exercer o poder secular com uma máscara eclesial, mostraria que o selo do dogmatismo católico permaneceria essencialmente estampado no seu pensamento.

Semelhantes afirmações pressupõem que não pode haver nenhuma instância acima das decisões da maioria. A maioria conjuntural converte-se num absoluto. Porque, de facto, volta-se a cair num absoluto, algo inapelável. Estamos expostos ao domínio do positivismo e à absolutização do conjuntural, do manipulável. Se o homem se coloca fora da verdade, necessariamente passa a estar submetido ao conjuntural, ao arbitrário.

Por isso, não é "fundamentalismo", e sim um dever de humanidade proteger o homem contra a ditadura do conjuntural convertido em absoluto e devolver-lhe a sua dignidade, que consiste justamente em que nenhuma instância humana pode dominá-lo porque está aberto à própria verdade. Precisamente pela sua insistência na capacidade do homem para a verdade, a Encíclica é uma apologia sumamente necessária da grandeza do homem contra tudo o que pretende apresentar-se como a cultura tout court.

(Cardeal Joseph Ratzinger in ‘Fe, verdade y cultura’)

'O jardim da nossa alma'

Ele não podia deixar escapar esta oportunidade. Finalmente tinha encontrado o que procurara com tanto empenho. O preço era fantástico e a casa estava em boas condições. O jardim abandonado fê-lo sonhar com um trabalho que muito o repousava. Tinha aprendido, desde pequeno, que cuidar das plantas era o mesmo que descansar. Sempre desejara viver numa casa com jardim, por muito pequeno que ele fosse. Logo que pôde, começou a trabalhar. Transformou aquele monte de mato, de pedras e de espinhos num pequeno “oásis”. Que gosto lhe deu esse trabalho! É verdade que tinha demorado o seu tempo. Mas também é verdade que tudo o que vale a pena nesta vida só se consegue com uma generosa dedicação de esforço e de tempo.

Certo dia, enquanto trabalhava na manutenção do seu jardim, passou pela rua uma senhora. Parou e pôs-se a olhar atentamente para as diversas plantas. Enquanto olhava, saiu-lhe um comentário como um suspiro: «Que maravilha! Que coisas tão bonitas faz Deus!». Ao ouvir isto, o “jardineiro” não conteve uma observação que, naquele momento, lhe pareceu muito oportuna: «A senhora devia ter visto o aspecto do jardim quando era Ele quem cuidava disto sozinho».

É verdade que Deus faz coisas maravilhosas na nossa vida. Mas também é verdade que Ele conta com a nossa colaboração. Ele deseja que o jardim da nossa alma esteja sempre belo e limpo, e dá-nos todas as ajudas necessárias para que isso seja possível. Mas se nós não colaborarmos, respeita a nossa decisão. Se fizesse o contrário, passaria por cima de um dom que foi Ele próprio quem nos deu: a liberdade. Por isso, se o jardim da nossa alma está sujo e desleixado, não podemos dizer que a culpa é de Deus. Nem podemos dizer que, ao contrário das outras pessoas, nós não temos jeito para cuidar dele.

Nos dias de hoje, existe um paradoxo muito grande em relação ao modo como se entende a liberdade. Por um lado, exalta-se este dom como se fosse algo absoluto e sem limites. Algo que permite ao homem fazer tudo aquilo que lhe apetece sem que ninguém o possa limitar. Por outro lado, custa a muitas pessoas aceitar a verdade evidente de que, porque somos livres, somos também responsáveis. Somos donos do nosso destino, tanto para o bem como para o mal. É verdade que a liberdade não é absoluta e está condicionada por muitos factores. Mas também é verdade que ela continua a ser uma liberdade real.

Por isso, negar a existência de dois destinos eternos diferentes – em nome da Bondade infinita de Deus – é, na prática, negar a existência da liberdade. É verdade que Deus quer que todos os homens se salvem – mas Deus criou o homem livre e responsável. Portanto, é o próprio homem quem, com plena autonomia, se exclui voluntariamente da salvação de Deus. Se persistir assim até ao fim, Deus respeitará a sua decisão.

Pe. Rodrigo Lynce de Faria

«E quem der de beber a um destes pequeninos [...], por ser Meu discípulo, [...] não perderá a sua recompensa.»

São Patrício (c. 385-c. 461), monge missionário, bispo 
Confissão, 56-62 conclusão

Vede: eu encomendo a minha alma ao Criador, que é fiel (1 Pe 4, 19), de Quem «eu sou embaixador» (Ef 6,20), apesar da minha baixeza; porque Ele não faz acepção de pessoas e escolheu-me para este serviço, para que seja Seu servo, a mim, um dos Seus «irmãos mais pequeninos» (Mt 25,40). «Como retribuirei ao Senhor todos os Seus benefícios para comigo?» (Sl 115,12) Mas que posso eu dizer ou prometer ao meu Senhor, visto não ter mais capacidades para além das que Ele próprio me deu?

Que, por vontade de Deus, nunca me aconteça perder o povo que Ele formou para Si nos confins da terra! (Is 43,21) Peço a Deus que me dê a perseverança e a vontade de d'Ele dar sempre um testemunho fiel, até ao dia da minha partida. Se me acontecer realizar uma boa obra para o meu Deus, que tanto amo, peço-Lhe que me conceda derramar o meu sangue com os estrangeiros e cativos, em honra do Seu nome [...]. Tenho a certeza de que, se tal me acontecesse, ganharia como recompensa a minha alma com o meu corpo, pois naquele dia ressuscitaremos sem dúvida na claridade do sol, isto é, na glória de Cristo Jesus, nosso Redentor [...].

Dirijo uma prece aos homens crentes e tementes a Deus que se dignarem acolher este escrito que Patrício, um tão ignorante pregador, compôs em terras da Irlanda: se alguma coisa fiz ou disse de acordo com a vontade de Deus, ninguém diga que foi este ignorante quem a fez, antes pensai – e tende-o mesmo por certo – que tal foi um verdadeiro dom de Deus. Esta é a minha confissão antes de morrer.